Tudo sobre o Google Analytics

Tudo sobre o Google Analytics

O Google Analytics é uma ferramenta gratuita do Google para análise de sites que fornece dados analíticos básicos e estatísticas para otimização de mecanismos de pesquisa e fins de marketing. O serviço está disponível para qualquer pessoa com uma conta Google.

É um serviço gratuito de análise da web média oferecido pelo Google para rastrear e relatar o tráfego do site. Foi lançado pelo Google em novembro de 2005. É agora o serviço de análise da web mais utilizado na Internet. Combinado com o AdWords, os usuários agora podem verificar campanhas on-line rastreando a qualidade da página de destino e as conversões (metas). Os objetivos podem incluir vendas, geração de leads, visualização de uma página específica ou download de um arquivo específico.

Sua análise pode reconhecer páginas com baixo desempenho com métodos como visualização de funil, de onde vieram os visitantes, quanto tempo permaneceram no site e sua posição geográfica. Os relatórios de comércio eletrônico mostram as transações, receitas e muitas outras métricas relacionadas ao comércio de um site. Em 29 de setembro de 2011, foi lançada uma análise em tempo real, permitindo ao usuário ter uma visão sobre os visitantes atualmente no site. Um usuário pode ter 100 perfis de site. Cada perfil geralmente corresponde a um site. Também fornece vários recursos avançados que incluem segmentação personalizada de visitantes. Ele pode até ter relatórios de comércio eletrônico que podem rastrear a atividade e o desempenho de vendas. Está limitado a sites com tráfego inferior a 5 milhões de visitantes de páginas por site, a menos que estejam vinculados a uma campanha do AdWords.

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

O Google Analytics é aplicado com “tags de página”, caso em que é chamado de Código de Rastreamento do Google Analytics. Que é um trecho de código JavaScript que o proprietário do site adiciona a cada página do site.

Os recursos do Google Analytics incluem o seguinte:

• Integração com outros produtos Google, como AdWords, Public Data Explorer e Website Optimizer.

• Relatórios personalizados.

• Compartilhamento e comunicação por e-mail.

• Segmentação para análise de subconjuntos, como conversões.


Ele é direcionado a sites de varejo de pequeno e médio porte. O serviço possui limitações que o tornam menos adequado para sites mais complexos e empresas maiores. Por exemplo, o sistema coleta dados por meio de uma tag de página JavaScript inserida no código das páginas nas quais o usuário deseja coletar dados. A tag da página funciona como um bug da Web para coletar informações do visitante. No entanto, por depender de cookies, o sistema não pode coletar dados de usuários que os desativaram. O Google também usa amostragem em seus relatórios, em vez de analisar todos os dados disponíveis.

Além disso, alguns especialistas em segurança levantaram preocupações sobre questões de privacidade com o Google Analytics. Através do Painel do Google Analytics, os usuários podem coletar informações sobre pessoas cujos sites possuem links para sites de redes sociais como Facebook e Twitter. Ele categoriza automaticamente o tráfego como proveniente de um mecanismo de pesquisa se o URL de referência pertencer à sua lista de mecanismos de pesquisa conhecidos e houver um termo de pesquisa identificado nesse URL. O tráfego de mecanismos de pesquisa orgânicos e pagos é colocado neste grupo. Isso é conhecido como tráfego do mecanismo de pesquisa.

Além disso, o Google Analytics for Mobile será aplicado a sites para celular. O pacote móvel contém códigos de rastreamento do lado do servidor que usam PHP, Java Server Page ASP ou Perl como linguagem do lado do servidor. No entanto, muitos programas e extensões de filtragem de anúncios e o aplicativo para celular Disconnect Mobile podem bloquear o código de rastreamento do Google Analytics. Isso evita que parte do tráfego e dos usuários sejam rastreados e leva a falhas nos dados coletados. Estas limitações são consideradas pequenas, afetando apenas uma pequena percentagem de visitas.

Gostou? Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Email

O SERP do Google é a página de resultados que aparece quando você faz uma pesquisa no Google. Ele exibe uma lista de resultados relevantes, incluindo resultados orgânicos, anúncios pagos, trechos em destaque, informações do Knowledge Graph, Google Shopping e outros elementos úteis para os usuários. A ordem dos resultados é determinada pelo algoritmo do Google, com base em fatores como relevância e qualidade do conteúdo.

O SERP do Google, ou Página de Resultados do Motor de Busca, serve para apresentar uma lista de resultados relevantes aos usuários quando eles realizam uma pesquisa no Google. Ele exibe os links para sites, imagens, vídeos, respostas rápidas e informações adicionais relacionadas à consulta do usuário.

O SERP é essencial para que os usuários encontrem respostas para suas perguntas, descubram informações relevantes, localizem produtos e serviços e acessem conteúdo útil na internet. Além disso, o SERP também é uma ferramenta importante para empresas e profissionais de marketing, pois é onde os resultados orgânicos e os anúncios pagos são exibidos, possibilitando a promoção de seus produtos e serviços para potenciais clientes. Em resumo, o SERP do Google é uma parte fundamental da experiência de pesquisa online, ajudando a conectar usuários e informações de forma eficiente e relevante.

Para utilizar o SERP (Página de Resultados do Motor de Busca) do Google de forma eficaz, siga as seguintes dicas:

  1. Faça uma Pesquisa Adequada: Insira palavras-chave relevantes que descrevam o que você está procurando. Quanto mais específica for a sua pesquisa, mais precisos serão os resultados.

  2. Analise os Resultados Orgânicos: Observe os links listados como resultados orgânicos, pois eles são considerados relevantes pelo algoritmo do Google. Verifique as descrições para encontrar a informação mais adequada.

  3. Avalie os Anúncios Pagos: Os anúncios pagos são identificados com a etiqueta “Anúncio”. Selecione aqueles que correspondem à sua pesquisa e consideram confiáveis.

  4. Explore os Rich Snippets: Se existirem trechos em destaque, eles podem fornecer informações adicionais importantes. Clique neles para obter detalhes adicionais.

  5. Utilize o Knowledge Graph: Se o Knowledge Graph fornecer informações relevantes sobre sua pesquisa, confira-o para obter respostas rápidas e precisas.

  6. Verifique o Google Shopping: Se você estiver procurando produtos, confira a seção do Google Shopping para encontrar imagens, preços e lojas onde podem ser comprados.

  7. Explore as Perguntas Frequentes: Se houver perguntas frequentes relacionadas à sua pesquisa, clique nelas para obter respostas rápidas.

  8. Refine sua Pesquisa: Se não encontrar o que está procurando, tente ajustar suas palavras-chave ou usar operadores de pesquisa para refinar os resultados.

  9. Considere a Personalização: Lembre-se de que os resultados do SERP podem ser personalizados com base em seu histórico de pesquisa e localização.

  10. Avalie a Fonte dos Resultados: Ao clicar em um link, verifique a fonte para garantir que seja confiável e segura.

Lembrando que o SERP é projetado para fornecer informações relevantes, mas nem sempre o primeiro resultado é o mais adequado. Sempre verifique várias fontes antes de confiar em qualquer informação encontrada no SERP do Google.

Deixe um comentário

Saiba mais!